sbce.med.br sbce.med.br sbce.med.br



HOME > artigo

Dor de Cabeça e Menstruação

PUBLICADO EM 10/04/2019

Márcio Nattan

Coordenador do Centro de Cefaleias do Hospital Samaritano; Neurologista do Hospital Albert Einstein; Neurologista do Ambulatório de Cefaleias do Hospital das Clínicas da FM-USP

 

Dores de cabeça são muito comuns no período próximo à menstruação. A causa mais frequente é a enxaqueca. Na infância a enxaqueca é ligeiramente mais comum em meninos, mas após a puberdade ela se tornar bem mais frequente entre as mulheres, chegando a atingir 43% da população feminina ao longo da vida. O principal fator responsável por essa diferença entre homens e mulheres é hormonal. Mas engana-se quem pensa que o estrogênio é o grande vilão. Durante a gestação, quando os hormônios (inclusive o estrogênio) estão em níveis muito altos, a enxaqueca melhora em cerca de 80% das mulheres. Isso por que a verdadeira responsável por essa predominância feminina da enxaqueca é a variação hormonal, que é a base do ciclo menstrual.

Mais da metade das mulheres com enxaqueca tem crises próximas ao período menstrual, e nesses casos a dor costuma ser mais intensa, mais duradoura e responde menos aos tratamentos de para crise. Quando a enxaqueca se manifesta exclusivamente nos dias que antecedem, ou durante a menstruação, ela é considerada uma Enxaqueca Menstrual Pura. Entretanto, na maioria das vezes essa relação não é exclusiva, havendo um predomínio próximo ao período menstrual. Nesse caso, chamamos de Enxaqueca Relacionada com a Menstruação. Na gestação, em que os níveis de estrogênio aumentam muito, mas permanecem estáveis em níveis altos, a maioria das mulheres diminui a frequência e a intensidade das crises. Esse fenômeno é menos frequente para aquelas que sofrem da enxaqueca com aura (saiba mais em https://www.sbcefaleia.com.br/noticias.php?id=351), que pode até se intensificar durante a gestação. Após a menopausa a maioria das mulheres experimenta uma redução expressiva na frequência e na intensidade das crises, que é devida em grande parte ao término dos ciclos hormonais mensais.

Conhecer a relação entre a menstruação e as crises de enxaqueca é muito importante no momento de decisão sobre o tratamento. Para isso, o diário de cefaleia (https://www.sbcefaleia.com.br/noticias.php?id=152) é muito útil. Quando essa relação é bem estabelecida, recomenda-se especial cuidado com outros gatilhos de crises no período mais vulnerável, como privação de sono ou jejum prolongado. Quando as crises são frequentes ao longo do mês e também se manifestam no período menstrual, deve-se considerar um tratamento preventivo (a profilaxia). Nos casos em que a maioria das crises acontece no período peri-menstural, pode-se considerar um tratamento chamado preemptivo, no qual se utiliza uma medicação para crises por alguns dias seguidos, iniciando antes do período em que a dor começa a aparecer.

A enxaqueca é uma condição recorrente e por vezes incapacitante, que tem nas mulheres a maior frequência. A variação hormonal, especialmente a queda do estrogênio na fase pré-menstrual, é um importante gatilho gerador de crises.  Conhecer o comportamento dessas crises é fundamental para se conseguir o melhor resultado do tratamento.