sbce.med.br sbce.med.br sbce.med.br



HOME > artigo

TRATAMENTO PREVENTIVO E DA CRISE

PUBLICADO EM 19/10/2017

Norma R. P. Fleming

Neurologista Titular da Academia Brasileira de Neurologia

Mestre em Neurologia pela Universidade Federal Fluminense

Clínica de Dor do INTO

 

INTRODUÇÃO

 

A Migrânea ou Enxaqueca, da qual trataremos neste texto, é um dos diversos tipos de cefaleia, isto é, dor de cabeça. É uma dor muito intensa e incapacitante, podendo impedir atividades da vida pessoal e profissional. Um estudo de 2007 evidenciou que 2/3 dos enxaquecosos experimentam 1 ou mais crises por mês.

Esta cefaleia, além da dor intensa, acompanha-se frequentemente de sintomas gastrointestinais, tais como enjoo (náusea) e até vômito que incapacita muito e pode prejudicar a utilização de medicamentos por via oral. Em alguns casos, a dor pode ser precedida por aura, que é um sintoma neurológico na maioria das vezes visual, como por exemplo: turvação da visão ou pontos luminosos brilhantes como flashes intermitentes que duram de 5 a 60 minutos. Também há intolerância à luz e ao som, o que leva o paciente muitas vezes a ficar na cama, quieto, de olhos fechados evitando a luz: esta piora muito o quadro clínico.

Se você tiver uma dor de cabeça deste tipo, deve primeiro procurar um clínico geral e, se necessário, este fará o encaminhamento para o Neurologista ou Especialista em Cefaleia/Dor de Cabeça.

É evidente que necessitamos tratar adequadamente esta doença não só para melhorar a qualidade de vida dos pacientes como também evitarmos sua cronificação/piora.

Esta dor tem, muitas vezes, fatores que podem dispará-la, tais como:

  • Alimentos -> chocolate, cafeína, laticínios, bebidas alcoólicas, frutas cítricas, amendoim, castanhas e outros.
  • Alteração da rotina diária -> na alimentação, no sono, estresse, excesso de calor ou de frio.
  • Menstruação e uso de anticoncepcionais.

Isto significa que os pacientes devem observar se alguma coisa específica dispara sua crise e, se for o caso, evitá-la. O enxaquecoso necessita respeitar sua rotina diária e fazer atividade física que - em muito - melhora esta doença.

Além das medidas não medicamentosas e muito importantes para o tratamento, abordaremos agora os tratamentos medicamentosos, que podem ser:

  • Agudos (da crise) ou
  • Profiláticos (tratamento medicamentoso diário para prevenir a cronificação/piora e diminuir as crises)

É muito importante que você receba instruções adequadas. Partimos sempre do princípio que você já foi atendido por um médico e que teve seu diagnóstico correto.

 

TRATAMENTO AGUDO

 

Este tópico é relevante, pois os analgésicos devem ser utilizados com extremo cuidado e, no máximo, 3 vezes por mês. Esta doença torna-se crônica quando ocorre mais de 15 dias por mês, tendo como principal causa o uso excessivo (mais de 10 ou 15 dias) de analgésicos preconizados para parar a crise e seus sintomas associados.

 

  • O que acontece com seu cérebro?

Os analgésicos em excesso podem enganar o seu cérebro de tal modo que ele passa a necessitar do analgésico todo o tempo. Porém, se você tomar analgésico mais do que 10 dias por mês, a dor vai cronificando/piorando. Além de piorar muito sua doença, essa atitude ainda pode provocar lesões no seu estômago, fígado e rins. POR ISSO, TODO O CUIDADO COM ELES É POUCO!

 

  • Quais são os remédios que posso tomar para aliviar minha cefaleia?

Para a Enxaqueca há medicações que são específicas e medicações que não são específicas.

Sempre com orientação médica, os não específicos mais utilizados são:

  • Analgésicos comuns -> dipirona e acetoaminofeno/paracetamol;
  • Analgésicos Antinflamatórios não estereidoais (AINEs) -> naproxeno sódico, ibuprofeno, diclofenaco de sódio e cetoprofeno;
  • Antieméticos -> utilizados em associação aos anteriores, caso haja náusea

Os específicos para Enxaqueca, e existentes no Brasil, são:

  • Dihidroergotamina
  • Sumaptriptano
  • Zolmitriptano
  • Rizatriptano
  • Naratriptano

 

Lembre-se sempre de que o profissional de saúde que o estiver acompanhando é a pessoa mais indicada para escolher a medicação ou combinação medicamentosa mais apropriada para você.

 

  • Quando devo procurar auxílio médico?

Sempre que sua dor estiver com características diferentes da habitual ou não responda aos analgésicos utilizados, você deve procurar o seu médico ou uma Unidade de Emergência próxima para ser avaliado.

 

TRATAMENTO PROFILÁTICO

 

  • O que é?

É um tratamento medicamentoso que deverá ser prescrito pelo profissional de saúde que o estiver acompanhando, caso você tenha mais do que três crises por mês. O objetivo destas medicações é justamente diminuir ou eliminar suas crises.

 

  • Há medicação específica para a Enxaqueca?

Não há ainda. As utilizadas são grupos medicamentosos desenvolvidos para outras doenças, que se mostraram eficazes, em estudos clínicos, na diminuição do número de crises e/ou sua frequência.

 

  • Quais os grupos medicamentosos que poderão ser prescritos pelo profissional de saúde que faz seu tratamento?
    • Anti-hipertensivos -> betabloqueadores
    • Anticonvulsivantes
    • Antidepressivos
    • Bloqueadores de canais de cálcio
    • Toxina Botulínica (esta para a Enxaqueca Crônica)

 

  • Vou tomar estes remédios por toda a minha vida?

Não, mas é certo que você deverá tomá-los por pelo menos 6 meses ou pelo tempo que seu médico os prescrever. Se você interromper o tratamento poderá haver piora na intensidade e na frequência nas crises.

 

Enfim, cuide-se adequadamente praticando atividade física, alimentação adequada, evite os desencadeantes de dor em você. O tratamento é individualizado e - nunca use analgésicos em excesso.