sbce.med.br sbce.med.br sbce.med.br



HOME > artigo

Prevenção de Cefaleia

PUBLICADO EM 03/06/2016

Prevenção das Cefaleias – talvez você não esteja fazendo tudo por sua cefaleia.

Se você tem dores de cabeça frequentes, saiba que há mais para ser feito do que somente controlar as crises quando elas ocorrem. É possível reduzir a frequência e a intensidade das crises e torná-las mais responsivas aos medicamentos, através de um tratamento preventivo. A maioria dos pacientes obtém melhora significativa dentro de poucos meses.

Nos últimos anos, foram lançados novos medicamentos eficazes para o tratamento das crises e com mínimos efeitos colaterais, o que constituiu um enorme benefício para os sofredores de cefaleias. Ainda assim, algumas pessoas não respondem satisfatoriamente aos medicamentos para as crises, persistindo com cefaleias intensas e prolongadas; outras apresentam crises muito frequentes, sendo necessário o uso dessas medicações várias vezes na semana.

Se você perde muito da sua vida com crises de cefaleia frequentes ou fortes, existem outras opções para você manejar a sua dor. Ao invés de tomar medicações somente “quando necessário”, ou seja, para controlar a dor e outros sintomas de uma crise, você pode tentar um tratamento preventivo. Existem, hoje, medicações surpreendentemente eficazes na prevenção das crises.

Interromper ou Prevenir a dor

Vários medicamentos podem ser úteis para interromper uma crise de cefaleia que já começou e/ou está progredindo — analgésicos comuns, anti-inflamatórios, ergotamina, dipirona, combinações analgésicas e triptanos. Esses medicamentos, conhecidos como abortivos ou sintomáticos, quando consumidos indiscriminadamente por períodos de tempo longos podem levar a complicações, entre as quais o agravamento da própria cefaleia que se deseja tratar. Em busca do alívio imediato da dor, os pacientes ingerem quantidades progressivamente maiores de medicações abortivas sem prescrição ou acompanhamento médico. Se utilizados frequentemente em quantidades excessivas, separadamente ou em combinação, esses medicamentos podem perpetuar a cefaleia, tornando-se um problema crônico diário, como tem sido constatado por diversos estudos.

As medicações preventivas devem ser utilizadas diariamente, de forma regular e por períodos prolongados, não tendo efeito nas crises. O tratamento preventivo pode não eliminar completamente a cefaleia, mas reduz a frequência e a intensidade das crises, tornando-as mais facilmente controláveis pelos medicamentos sintomáticos. Com o tratamento preventivo, é possível reduzir a frequência do uso de medicações sintomáticas, tornando menos provável a cronificação da dor pelo abuso de medicamentos.

Quando Utilizar Medicamentos Preventivos?

Os medicamentos preventivos são geralmente reservados para pessoas que apresentam cefaleia com frequência alta ou com crises de forte intensidade e que não respondem satisfatoriamente à medicação sintomática, ou ambos. Os profiláticos também são importantes para pessoas que têm cefaleia em períodos previsíveis. Por exemplo, mulheres com enxaqueca menstrual ou indivíduos com cefaleia em salvas que apresentam dor em determinado período do ano podem começar a tomar a medicação preventiva antes desse período para reduzir o risco de cefaleias fortes. Somente o médico está habilitado a lhe prescrever uma medicação preventiva adequada ao seu caso.